Poesia Viva

domingo, março 19, 2006

Paisagem interior da Primavera...


Era o cheiro da Terra,
da chuva,
da Primavera...

O relvado,
até onde se via,
afagava-se
de vento
e de orvalho...

Pulsa
com intenso fogo
a Terra...

Nas entranhas
férteis
dos vales,
nas montanhas,
nos lagos,
nos rios,
até onde se avista,
o Céu é um Reino
de estrelas invisíveis...

De espaços abertos,
de nuvens,
espelhadas
de cores matinais...

Súbito,
o som
de um pássaro isolado,
cortando como um risco
um Céu inacessível,
um espelho invisível,
um sonho,
uma memória...

Isabel

29 de Abril de 1997 - Foto de Isabel:
Relva penteada pelo vento no Jardim Botânico de Lisboa.

3 Comments:

Enviar um comentário

<< Home