Poesia Viva

segunda-feira, março 13, 2006

Hino à Mãe Natureza...


Pouso o meu olhar em ti docemente
Observo-te com toda a minha atenção
Os teus movimentos, o teu respirar
A tua forte e permanente contradição

Processas sem parar os elementos
Transformas em energia o que há
E sobre o que não há lanças ventos
Que empurram a vida de cá para lá

Crias a beleza num ramo de flores
Regeneras tudo o que te ofende
Da eternidade dás vida aos amores
Para ti tudo é vida, tudo se estende

E na Poesia que há em teu olhar.
Nas curvas do teu corpo como colinas,
No sal das tuas lágrimas está o mar
Há a inocência das flores pequeninas

Quando me abraças sinto-me inteiro
Percorre-me todo o corpo um abalo
Sou a luz do Luar que há em Janeiro
Sou Tudo e Nada quando me calo...

E neste amor eterno de toda a vida
Neste doce encanto feito de grandeza
Amante sou de ti e a ti te dou guarida
Em ti me reflito sempre, Mãe Natureza...

(Poema inspirado e dedicado à Isabel)

José António

(Foto de Isabel de uma Árvore trespassada de luz...)

21 Comments:

Enviar um comentário

<< Home