Poesia Viva

sexta-feira, janeiro 27, 2006

O que somos...


Eu quisera apenas poder ascender
A outro patamar de entendimento,
Que me permitisse apenas saber
A causa de tanto, tanto sofrimento!

Depois de tantos milhares de anos,
De guerras. mortes e atrocidades,
De tempestades, ilusões, desenganos
Ainda não se aprenderam as verdades

Dentro de cada um está a verdade
Sempre pronta para ser revelada!
Cultivando a eterna serenidade
Aos nossos olhos será desvelada

O que falta a cada um perguntar,
O que falta a todo o homem saber,
Que lhe permita SER inteiro e AMAR
Ultrapassando tanto, tanto sofrer?

Se mudasse a sua limitada visão,
Se pudesse elevar-se um pouco,
Veria, com os olhos do coração,
Deixaria de agir como um louco

A vida é UNA, ETERNA, IMPERECÍVEL...
Que nos acena todos os dias,
Para vivermos desta forma incrível
Verdadeiras e mágicas antologias

Somos como uma gota de água
Que percorre o Universo inteiro,
Líquido, gás, vapor sem mágoa,
Que retorna ao seu canteiro...

Somos como a noite e o dia,
Somos o positivo e o negativo,
Somos a maré cheia e a vazia,
Somos a chispa do SER primitivo.

E assim andamos pela eternidade
Adquirindo formas e experiências,
Até sabermos ter a capacidade
De sermos todas as transcendências...

E, se não fizermos juízos de valor,
Se nos limitarmos a saber estar,
Seremos, apenas, o ETERNO AMOR
Que quer a vida toda contagiar!

E poderemos ser então SERES INTEIROS,
Corpo, Alma, Espírito e, com Discernimento,
Seremos flores em todos os canteiros
E viveremos com Amor e Desprendimento.

José António

(Foto do José António tirada na Nazaré: Três sóis!...)

6 Comments:

Enviar um comentário

<< Home